Riscos de Segurança e Privacidade no Crescimento de Redes IPv6

IPv6

A Internet está presente em praticamente todos os aspectos da nossa vida atualmente. As pessoas usam a rede para se divertir, trabalhar, estudar, fazer negócios, se conectar com amigos e familiares.

Uma das principais tecnologias da Internet é o protocolo IP (Internet Protocol), um conjunto de regras necessário para os computadores e outros dispositivos “conversarem entre si”. Este protocolo é responsável por dar um endereço único a cada dispositivo conectado à rede, permitindo que dados enviados de um computador tenham um caminho até seu destino.

Desde 1983, a Internet tem usado a versão 4 do protocolo IP (IPv4). Esta versão do protocolo IP permite a conexão de até 4 bilhões de dispositivos na Internet, mas o surgimento de novas tecnologias, como a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), demandou uma evolução neste protocolo.

O IoT é um conceito que se refere à interconexão digital de dispositivos e objetos cotidianos com a Internet, como geladeiras, televisões e até lâmpadas. Tais aparelhos visam aumentar, dentre outros motivos, a segurança, a saúde e o conforto das pessoas em suas residências e locais de trabalho, permitindo o controle destes dispositivos a distância pela Internet.

Estima-se que até 2025, mais de 75 bilhões de dispositivos IoT sejam ligados à rede. A necessidade de novos endereços únicos devido ao crescente número de dispositivos conectados à Internet fez necessária uma nova versão do protocolo IP, o IPv6, lançada oficialmente em 1998 e empregada em larga escala a partir de 2012.

Que riscos de segurança o IPv6 traz? Por que o Flashbox pode ajudar?

O IPv6 traz, entre outros benefícios, um aumento expressivo do número de endereços disponíveis em relação à versão anterior, mas necessitamos atentar para “novos” riscos de segurança, tanto para os provedores, quanto para os clientes de banda larga.

Um dos exemplos mais latentes sobre riscos de segurança é a obsolescência do NAT (Network Address Translation) em redes IPv6 como uma forma de “firewall” contra invasores. O NAT permite que o IPv4 atribua endereços que não são acessíveis pela Internet aos dispositivos. Isso permite que vários dispositivos possam navegar na internet utilizando um único endereço e traz uma sensação de segurança, já que estes dispositivos estão seguros contra ataques vindos da Internet.

 A inexistência de NAT em redes IPv6 deixa grande parte dos dispositivos diretamente acessíveis de qualquer ponto da internet.

Com isso, sem a presença do NAT, é preciso atentar para regras de firewall bem configuradas em cada dispositivo utilizado em uma residência e regras de firewall corretamente configuradas em roteadores Wi-Fi, pois esta é a grande porta de entrada para o acesso à internet em redes residenciais.

Infelizmente, muitos roteadores Wi-Fi atualmente não possuem o cuidado para uma correta configuração de firewall, colocando em risco a segurança e privacidade de muitos usuários. Se um usuário de banda larga não tiver um bloqueio implementado em seu dispositivo (celular, TV, laptop), qualquer comunicação pode passar de dentro da rede residencial para a internet e vice-versa. Já pensou se uma fechadura eletrônica com acesso remoto é hackeada e a segurança domiciliar é exposta? Essa seria uma situação gravíssima e real no cenário atual.

Felizmente, para provedores e usuários do Flashbox, esse risco de segurança já foi solucionado. O Flashbox possui um firewall para IPv6 por padrão e corretamente configurado, garantindo a segurança de redes residenciais e comerciais, bloqueando também no IPv6 qualquer comunicação estranha.

Para entender mais sobre o Flashbox, acesse o link: http://flashbox.anlix.io/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *